As sementes plantadas nas ações de Suporte Social – Comunidade Segura

Com foco em ampliar a oferta de serviços sociais nas periferias de São Paulo, o projeto Comunidade Segura, com metodologia executada pela Luta Pela Paz e apoio da Petrobras, por meio do Programa Petrobras Socioambiental, vem realizando ações que possibilitem a assistência necessária para as famílias mais vulneráveis nas comunidades Parque São Miguel, Jardim Centenário e Savoy. As famílias acompanhadas pelo projeto foram, inicialmente, mapeadas por articuladores dos próprios territórios, que também ajudaram, principalmente, a apontar problemas comuns nas regiões e a estreitar laços das equipes com seus moradores.

Em 4 meses de atuação, foram distribuídas cestas básicas e cartões alimentação, em parceria com a União SP e Transpetro, possibilitando a segurança alimentar destas famílias durante o período. Até agora, mais de 700 famílias já foram beneficiadas.

“O breve contato de representantes da equipe de Suporte Social que atuam na Luta pela Paz, na Maré, com as favelas que estão sendo atendidas pela equipe de São Paulo nos provocou a traçar um paralelo sobre as demandas e possibilidades de atendimento nos dois territórios”, afirma a coordenadora de Suporte Social da Luta Pela Paz, Luciana Alves. “Ficou evidente que o impacto da insegurança alimentar se apresenta de forma muito latente nos dois territórios, o que reforça a urgência dos esforços para responder a essa demanda”.

Além de apoiar a saúde física e mental dos moradores e moradoras destas regiões, a equipe do Comunidade Segura também está acompanhando jovens alunos matriculados nos cursos digitais, oferecidos em parceria com a ONG Campinho Digital, com apoio psicológico através de atendimentos e assistência dos jovens mobilizadores. Tanto os mobilizadores, quanto os alunos matriculados fazem parte, ainda, das famílias assistidas pelo projeto.

Visto que o acesso da maioria dos moradores e moradoras às informações sobre seus direitos não é tão democrático como para as pessoas de fora desses territórios, como programado, houve ainda a atuação do projeto através de suporte jurídico. A atividade contou com a facilitação ao acesso a benefícios sociais, encaminhamento ao CRAS para atualização no Cadastro Único e, principalmente, a emissão de documentos pessoais, sendo estas as principais demandas que o plantão jurídico pôde apoiar. “Para citar apenas um exemplo bem emblemático: um senhor de 56 anos estava há mais de 15 anos sem RG. Após a intervenção da equipe técnica na rede socioassistencial mapeada, foi possível realizar o encaminhamento para emissão de uma nova via.  Ressaltamos, também, o caso da mãe de um jovem, que teve a situação de vulnerabilidade social da família identificada durante atendimento pela equipe do projeto. A equipe técnica orientou a genitora sobre seus direitos trabalhistas dentro das condições do INSS, conseguindo o agendamento na previdência social”, destaca a Assistente Social da Luta Pela Paz em São Paulo, Thalita Mendes.

O Comunidade Segura segue acompanhando e dando suporte para essa rede, construída através da sensibilização e mobilização comunitária em cada território, para que seja possível fortalecer as condições de cidadania dessas pessoas, desenvolver suas regiões e alcançar o direito à cidade e às políticas públicas. Por mais que o distanciamento dos equipamentos públicos e a falta de investimento público nos territórios assistidos seja um fator que contribua para essa desigualdade, foi possível perceber a motivação e a vontade, principalmente da juventude, em se movimentar e lutar pelo direito de estarem presentes e ativos na sociedade. Juntas e juntos seguiremos fazendo a diferença.

Você também vai se interessar por…