Jovens favelados e tecnologia: o futuro da nossa sociedade

O pilar de empregabilidade da Luta pela Paz tem apostado em formações e cursos de tecnologia para que os jovens do território da Maré entrem no mundo do trabalho e já tenham um grande impacto socioeconômico, já que essa área geralmente tem uma boa remuneração. 

O pilar de empregabilidade da Luta pela Paz tem apostado em formações e cursos de tecnologia para que os jovens do território da Maré entrem no mundo do trabalho e já tenham um grande impacto socioeconômico, já que essa área geralmente tem uma boa remuneração. 

Campinho Digital é uma especialização de Programação Web Full Stack, que abrange os dois tipos de programação (front end e back end) voltados especificamente para o desenvolvimento de sites. A seleção para o curso foi bem acirrada, tendo mais de 150 inscrições. Uma turma de 24 alunos começou as aulas online em março de 2021, e atualmente são 22 alunos engajados fazendo a formação. O curso tem duração de nove meses com aulas semanais de três horas cada, além de um encontro mensal online com participação de algum profissional da área para que os jovens comecem a expandir seus contatos e sua visão sobre o mercado. Além da especialização principal, o curso também oferece aulas de Inglês e de Habilidades Socioprodutivas, entendendo que, para maiores possibilidades de integração no mercado de trabalho digital, é necessário que os alunos complementem suas competências nestas áreas 

Para alunos que não tem equipamentos ou possuem dificuldade de acesso, foram disponibilizados notebooks para todo o período do curso. Além destas atividades, são realizadas  simulações de entrevistas de emprego e acompanhamento de mentores de empresas reconhecidas para potencializar odesenvolvimento pessoal e profissional de cada uma e cada um dos jovens. As/os jovens participantes contam ainda com uma iniciativa  chamada Compromisso Digital, que tem como  objetivo ajudar os formandos a conseguirem as primeiras contratações e empregos colocando os jovens em contato com diferentes empresas e organizações que buscam  perfis e serviços digitais. 

Já foram realizados 2 encontros. No primeiro o convidado foi um programador que nasceu e cresceu no subúrbio do Rio de Janeiro e atualmente trabalha como desenvolvedor em uma startup que atua com soluções em mobilidade urbana em Berlim. O segundo teve a participação de uma desenvolvedora que atua em um aplicativo fintech brasileiro (PicPay).

“Sempre fui daqueles amantes de tecnologia. Tentei fazer muitos cursos quando era mais novo, mas todos custavam um valor que minha mãe e avó não conseguiam pagar. Quando já estava desesperançoso, ganhei a oportunidade de fazer  um curso, graças a parceria entre a Luta pela Paz e o  Campinho Digital. Sou muito grato por receber essa chance. O curso tem me ajudado muito e me deu a certeza de que é com isso que eu quero trabalhar.”, diz  Eduardo, jovem mareense de 24 anos e aluno do projeto.

Você também vai se interessar por…