MIRIAM PARGA – VENCEDORA NO ESPORTE (E NA VIDA)

Há nove anos, Miriam mal sonhava em ser competidora. A jovem treinava MMA em uma academia local perto da Maré até que um dia a professora a elogiou por sua disposição e perguntou o motivo dela não competir.

Há nove anos, Miriam mal sonhava em ser competidora. A jovem treinava MMA em uma academia local perto da Maré até que um dia a professora a elogiou por sua disposição e perguntou o motivo dela não competir. Ela demonstrou interesse, mas não sabia onde começar e foi assim que essa professora a apresentou à Luta pela Paz.

Miriam nos conta, ainda, que nesse primeiro dia já conheceu Raíssa, atual monitora de judô da Luta pela Paz e amiga: “O meu primeiro sparring foi com a Raíssa e eu fui que nem uma doida para cima dela. Mas depois dessa luta a gente virou amiga de cara. A Raíssa foi um dos presentes que eu descobri aqui na Luta pela Paz. Ela sempre foi essa pessoa extrovertida, maravilhosa. E eu sempre digo e repito: Se alguém não gosta da Raíssa, não gosta de si próprio. Depois disso, já viajamos juntas para competir. Ela me apoiou muito e vice-versa”.

A jovem nos conta sobre a sua primeira luta e que o apoio da amiga foi fundamental: “Fiquei muito nervosa, tanto que disse que só subiria se a Raíssa subisse também e ficasse no corner comigo. Lembro que ela ficava me incentivando. Não sabíamos direito o que estávamos fazendo pois estávamos começando mas foi uma época muito boa.  A Raíssa sempre me dava conselho. Eu que sempre fui tímida, no começo era ainda pior. Quando tinha aula de Cidadania, então, que hoje é a aula de Desenvolvimento Pessoal, eu não abria a boca! Mas a Raissa me ajudou muito a superar essa timidez, assim como as aulas que incentivavam a gente a participar e falar.”
 

Miriam conta ainda que, no início, era muito agressiva e acredita que muito de sua mudança se deve, tanto à Luta pela Paz, quanto às amizades que fez na organização:  

“Eu era muito agressiva. Graças a Deus hoje eu não sou mais. Naquela época eu não sabia nada direito ainda. Além disso, quando eu entrei aqui eu era muito, muito tímida também.  E eu gosto de dizer que foi com a Luta pela Paz que eu me desenvolvi não só na luta, como na vida. Eu não falava nada, nada mesmo. Eu entrava, treinava, participava de tudo o que eu tinha que participar direitinho, mas não queria abrir a boca pra falar. Nessa época a professora de Desenvolvimento Pessoal já era a Rosane e ela também me motivava muito. Ela sempre soube que eu era tímida, calada, e fazia eu me esforçar para falar também. Quando eu tinha dúvidas, eu sempre ia até ela, perguntava, conversava sobre tudo. Hoje eu sinto como se aqui fosse a minha casa. Se deixar, eu não saio mais. Eu brinco que eu só saio daqui se me expulsarem. Foi aqui eu encontrei os meus amigos. As pessoas que me dão o ombro pra chorar, abraçar, chorar... Eu aqui aprendi tudo isso:  CHORAR, FALAR, CONVERSAR, tudo isso (risos). Foi aqui mesmo que eu aprendi tudo e ainda aprendo.“

Miriam lembra, ainda, que a mudança não foi só dela. A Luta pela Paz também mudou e muito nestes anos:

“Quando eu entrei não tinha muita mulher lutando não. Era só eu, Raíssa, Mara, a Rebeca que era novinha, nem lembro quantos anos ela tinha. Até nas próprias aulas, em geral, não tinha muita menina também. E é muito bom escutar das mulheres hoje, de muitas delas, que nós fomos a inspiração para elas começarem. Isso dá muita força pra gente, porque eu mesmo já pensei muitas vezes em parar de lutar, mas reebia apoio das outras alunas e muitas se tornaram minhas amigas. Hoje tem muita mulher lutando aqui com a gente e é nosso maior orgulho!  Algumas entram só pelo exercício mesmo, mas outras já entram com a ideia de competir, de ir além. Sempre que eu penso em parar de competir, ainda assim, eu não penso em parar de treinar não, de estar ativa de outras formas, seja como treinadora, monitora. Eu quero sentir essa mesma emoção como treinadora. Porque hoje eu já sinto vendo as minhas amigas. A gente tá lutando juntas porque eu sei o que elas tão passando.”

Miriam sabe o quanto essa palavra de motivação faz toda a diferença:

“Muitas alunas que sofrem com baixa autoestima. Então sempre tem que ter alguém dando um apoio, uma atenção. Isso é algo muito importante. Às vezes, você percebe que  alguma aluna não está focada e se você aponta uma direção pra ela, já vai fazer muita diferença. Às vezes, tudo o que você precisa é dizer alguma palavra que já ajuda. Eu lembro quando eu era mais jovem, essa palavra de força que me fazia seguir em frente. Às vezes eu sabia que nem estava boa ainda, mas isso me motivava. Foi assim que eu nunca desisti, mesmo sendo mulher no esporte. Você sabe que ser mulher nesse meio não é fácil. Já escutei muita coisa. Que eu era sapatão, mulher macho, que isso não era coisa de mulher casada, que eu tinha dois filhos pra criar, que isso não ia me levar a lugar nenhum. Até mesmo quando eu voltei a estudar, aqui na Luta pela Paz, que achei que ia ter apoio da minha família, as pessoas desacreditavam que eu ia chegar em algum lugar. Me diziam para ir buscar um trabalho. Falavam esse tipo de coisa para mim, mas eu nunca dei ouvidos. É engraçado que hoje em dia todo mundo me incentiva a continuar.”

Olhando para trás, Miriam hoje entende que o seu comportamento explosivo tinha uma razão:

“Eu cresci sem ter uma infância, sem saber o que era brincar de boneca. Desde muito nova, aos 8 anos, já fazia comida, lavava roupa, cuidava dos meus irmãos e via meu pai espancando a minha mãe. Isso pra mim era a pior parte. Não vou mentir que no início eu entrei na luta pensando em aprender a me defender. Hoje eu entendo que aquilo era ódio que eu tinha guardado dentro de mim. Eu pensava que um dia aquela situação de violência iria acontecer e eu tinha que saber como reagir. Eu não pensava como eu penso hoje. Por ser a mais velha, me sentia mãe dos meus irmãos. Hoje eu sirvo sim de exemplo porque nenhum dos meus irmãos terminou os estudos. Eu sou a única. Eu consegui! Graças a Deus e à Carol (gerente da Academia Luta pela Paz, aqui na Maré, e ex-aluna do boxe – sendo uma das primeiras alunas mulheres da organização). Tenho uma irmã que entrou agora na escola de tanto que eu a incentivei. Aos poucos, eu vou mudando a cabeça das pessoas.”