#Maré Unida

Com quantas vitórias se forma um coração campeão?

Dentro de uma competição, alguns confrontos, fases ou partidas são suficientes para decretar quem ganha o título. Mas na vida, fora de um campo, ringue ou quadra, o que te faz um campeão ou uma campeã é estar de pé depois que tudo ao seu redor parece querer te deixar no chão.

Se há um vencedor com propriedade para falar sobre ser campeão, ele é Jeferson Costa, o Shaolin. Cria da Rua do Canal, na Nova Holanda, Shaolin viu desde pequeno, através de sua mãe, que as batalhas que enfrentaria na vida não seriam poucas nem fáceis. Ana Clara serviu de exemplo pela correria, trabalhando o dia todo e todos os dias como empregada doméstica, ganhando em torno de R$500,00 por mês para tentar sustentar e oferecer uma vida melhor a sua família. 

Quando mais novo, Jeferson resolveu usar seu tempo livre para treinar um esporte que admirava, o Jiu-Jitsu. Assim, em 2009, quando conheceu a Luta Pela Paz, ele já se via praticante de três artes marciais: o Boxe, a Luta Livre e a sua paixão: o Jiu-jitsu. Tudo que desenvolveu nas aulas e atividades foi fundamental para o enfrentamento de duas questões pessoais importantes: a baixa autoestima e a pouca perspectiva de futuro. Estar na sala de treinos, em uma turma onde cada um precisa fortalecer e respeitar o outro, fez Jeferson enfrentar suas inseguranças, pensar seus valores e confiar ainda mais no seu próprio potencial.

Daí para frente, ele fez valer a pena toda a dedicação de sua mãe que, mesmo recebendo menos do que merecia, dava suporte financeiro para que ele pudesse participar de competições importantes, se tornando multicampeão na sua categoria. A experiência lhe deu um senso de liderança importante para quem já havia se tornado uma referência na Maré. Assim, em 2015, ele pôde assumir uma turma após a professora ter que se ausentar. A partir daí, o destino de Jeferson como educador esportivo começava a ser traçado. 

“Hoje eu dou oportunidades porque eu recebi uma oportunidade. (...) Eu vivo meu sonho todo dia, por isso eu acordo feliz todo dia. Eu vivo pela mudança das pessoas e pelo sorriso das crianças. Hoje eu me sinto um cara realizado. (...) Minha filha vive de kimono, e isso faz tudo valer a pena.”

Hoje, Shaolin é faixa preta formado, retomou o Ensino Superior que havia abandonado por conta de outras demandas, participou do treinamento de educadores esportivos na edição anterior do Maré Unida para qualificar as ações do Espaço Tijolinho, iniciativa que criou para trabalhar com educação esportiva e desenvolvimento pessoal para jovens moradores e moradoras da Maré, além de ser educador esportivo da nova fase do projeto Maré Unida. 

Mesmo com tantas conquistas, Shaolin continua atrás do seu sonho de mudar a realidade de mais pessoas que vivem como ele viveu. “Nunca baixei a guarda, nem mesmo quando apontavam para mim, falando que eu não poderia assumir uma atividade por não ter um diploma”, relembra. "A sabedoria está para muito além do que um pedaço de papel", complementa. Sabedoria transmitida por Dona Ana e que foi valorizada por ele a cada pequeno grande gesto de sua mãe. Se hoje Jeferson se tornou um líder, é por conta de todos esses aprendizados. "Quando você é ensinado a ter vontade, basta isso ser alinhado à alguma oportunidade, e assim o caminho estará aberto para um coração campeão. É disso que precisamos."

O projeto Maré Unida é uma parceria entre Luta pela Paz e Petrobras que acaba de ser renovada por mais dois anos através da Lei de Incentivo à Cultura e ao Esporte do Rio de Janeiro. Além de fazer o atendimento direto de crianças e jovens, o Maré Unida capacita organizações locais que utilizam o esporte como ferramenta de desenvolvimento. 

*Em 2018 e 2020, o projeto Maré Unida, em parceria com a Petrobras, contou com a participação direta de 1674 pessoas em 5 eixos de atuação: Boxe e Artes Marciais; Educação; Empregabilidade; Suporte Social e Treinamento. Através do projeto, a Luta pela Paz ampliou sua abrangência dentro do próprio Complexo da Maré, ao capacitar as organizações Pra Elas, Escola de Lutas Fábio Florêncio, Recomeçar (hoje, Espaço Tijolinho) e Construindo um Mundo Melhor, todas atuando em territórios que a Luta pela Paz não alcança, além da organização Apadrinhe um Sorriso, localizada no Parque das Missões, em Duque de Caxias.