Autoestima, família e sonhos de uma vida melhor.

Débora é uma história de inspiração em tempos de pandemia. Leia mais sobre essa jovem destemida.

Com o fim de maio chegando, a Luta pela Paz com o apoio de centenas de doadores traz boas notícias!

A campanha Coragem Solidária já beneficiou 408 famílias com água potável, alimentos e produtos de higiene pessoal. Muitas dessas famílias são dos jovens que participam dos nossos programas, como Débora*.

Débora, 25 anos, começou a praticar Muay Thai na Luta pela Paz em 2017 após procurar um esporte de artes marciais que ela gostasse. Queria mudar a rotina e o astral. Ficava a maior parte do tempo em casa, se sentindo presa. “Aquela rotina quase virou depressão”, contou ela.

Começou Muay Thai para conhecer. Gostou e ficou. Foram dois anos na Luta pela Paz. A rotina da tristeza deu lugar a prática desportiva em um ambiente acolhedor, com amizades novas. Luta pela Paz, Muay Thai e amizades trouxeram autoestima!

Quando começou a participar do programa na Luta pela Paz, Débora já era casada e mãe. O Lucas*, hoje com 7 anos, muitas vezes acompanhou os treinos da mãe. Na Maré, muitas vezes em decorrência dos conflitos armados, as aulas são suspensas. Nessas ocasiões, Lucas inspirava a mãe e suas amigas. Enquanto acompanhava o treino, ele ia motivando a mãe:

“Muitas vezes no final, eu já cansada, ele falava: ‘Vai mãe, não para não. Falta pouco!”

Essa relação de inspiração mútua acompanhava Débora e Lucas em casa. Quando o pai chegava do trabalho, não tinha desculpa. “O Lucas queria repetir a aula com o pai”, nos contou Débora entre risos.

E assim, entre treinos da mãe, aulas na escola e um ambiente familiar de descontração, Lucas foi matriculado para fazer judô na Luta pela Paz. Débora nos conta que Lucas melhorou o comportamento na escola e sempre convida os amiguinhos para fazer as aulas de judô também.

Faz cerca de um ano, que Débora começou a participar do Destemidas - projeto da Carol Barcellos em parceria com a Luta pela Paz:

“Me convidaram para conhecer um projeto novo, só para mulheres. Eu fui e gostei. Um espaço só de mulheres deixa a gente mais confortável.”

As experiências na Luta pela Paz e no Destemidas abriram a mente e também inspiraram Débora a correr atrás dos seus sonhos: “quero terminar os estudos e voltar a trabalhar. Depois quero me formar em arquitetura ou design de interiores”.

Venha participar desses sonhos com a gente. Doe agora mesmo clicando aqui.

*O nome dessa participante foi trocado para preservar sua privacidade.